terça-feira, 3 de novembro de 2009

"Não Temo Mais"

Não temo mais...
os fantasmas que me perseguem.
Já fazem parte das minhas noite e tardes.
Convivem comigo em meu cárcere.
Fazem-me companhia
em dias de nuvens negras onde
o sol não brilha.

Na lama, onde atolo minhas poesias,
escureço meu olhar, perco minha alegria,
confesso em meus versos as tristezas dos meus dias

Não temo mais ao confrontar-me comigo,
já me vejo no espelho como assombração
admito...
ser um ser abatido, meio sem cor,
pálida e ferida.

Vou ficando fria...
sem emoções..neste minha vida vazia.
No oco do meu mundo
vou desfilando letras e compondo
meu absurdo.

O escuro não me aflige mais...
se não tenho estrelas fico apenas
com os vendavais.
Se nem o vento aqui passar, fico apenas
com o silêncio a me silenciar.

Não temo mais a boca seca,
nem as mãos cruzadas,
nem ao arrepio que me chega
em horas desesperadas.
Ajoelho-me
e me entrego ao exílio de minhas palavras.

Durmo entre as navalhas...
Acordo entre os punhais.
Tornei-os desprezíveis,
não me cortam nunca mais.

2 comentários:

  1. aaah dayaneeee, ficou de mais *¬*

    eu queria era conseguir escrever num estilo tão gótico(leia-se: incrivel) como você DDDDDDDDDDDD:

    é sério, adoro a poesia gótica, e isso no teu blog é tão ...*-*

    amo teus textos D:

    e continue assim viu ><

    que a lamina da navalha, faça sangrar poesias negras como o sangue que ambos...
    deixamos se apodrecer.

    tu me inspira \o

    ~~
    http://alumiina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. nhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa ameiiiii Valew cara

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!!!><